terça-feira, 8 de fevereiro de 2011

José Mindlin...


A relação dos homens com os livros, em particular a dos bibliófilos, aqueles que por eles se apaixonam, passa por três estágios. Primeiro, os homens pensam que conseguirão ler um número de livros maior do que de fato é possível. Num segundo estágio, consequência imediata do primeiro, passam a desejar ter em mãos o maior número possível de obras dos autores de quem gostam. Num terceiro momento, já siderados, surgem o interesse pelas primeiras edições, geralmente raras, e a atração pelo livro como objeto de arte. Esta última fase é definida pelo mais célebre bibliófilo brasileiro, o empresário paulista José Mindlin, como perdição. "Quando se chega a esse estágio, aquele que pensava em ser na vida apenas um leitor metódico está irremediavelmente perdido", confessa Mindlin. A patologia – doce patologia – está instalada em definitivo. Essa tese é defendida logo na abertura de Uma vida entre livros – reencontros com o tempo (Edusp-Companhia das Letras, 214 págs. R$ 42), texto confessional e ao mesmo tempo uma espécie discreta de autobiografia intelectual, em que o bibliófilo conta a história de sua paixão pela literatura.
O empresário ensina que a mais importante qualidade de um bibliófilo não é a fortuna, ou a erudição, mas a paciência. Ele relata, para os que duvidarem, a difícil história que viveu com a primeira edição de O Guarany, de José de Alencar, de 1857. O livro – que é hoje um dos tesouros de sua biblioteca – foi oferecido a amigos do empresário, nos anos 60, por um grego, que pedia por ele algo como US$ 1.000. Para desespero de Mindlin, que só veio a saber da oferta depois, nenhum dos amigos se interessou. Dez anos depois, a primeira edição da obra apareceu no catálogo de um leilão de raridades na Inglaterra. Ele fez a encomenda a um livreiro londrino, que acabou deixando o livro escapar porque o achou caro demais. Em 1977, Mindlin foi a um leilão de livros raros em Paris e lá soube que O Guarany estava disponível. Na viagem de volta, já com seu tesouro no colo, pelo qual pagou muito mais do que o preço original, Mindlin pegou no sono. Ao desembarcar, não se deu conta de que deixara o livro caído no tapete do avião. A Air France o achou, três dias depois, em Buenos Aires. Foi preciso esperar mais alguns dias até o volume chegar, são e salvo, a seu destino definitivo.
No final Mindlin ainda elenca seus autores preferidos, entre eles Balzac, Tolstói, Cervantes, Sterne e Virginia Woolf. A experiência o leva a dar bons conselhos. Em matéria de livros, garante, cada um deve ser capaz de fazer suas próprias escolhas. O leitor deve se permitir passar de Machado a Astérix ou de Shakespeare a Agatha Chirstie. O importante é o prazer da leitura. Tanto que resume seus sentimentos com uma frase: "Num mundo em que o livro deixasse de existir, eu não gostaria de viver."

José Ephim Mindlin (São Paulo, 8/9/1914 – São Paulo, 28/2/2010. Foi um advogado, empresário e bibliófilo brasileiro.
"Paixão e perdição" - Texto de José Castello, para ISTO É, 12/11/97
Caricatura: João de Deus Netto, sobre foto da sua famosa biblioteca.
Assista o vídeo o com o bibliófilo no ambiente que ele mais amava.



@@@@
Capa de minha autoria para ilustrar o post
(clique e amplie)


[41]3076-7631

3 comentários:

bernadete ferraz disse...

Impossível perder-se a chance de ouvir a voz da experiência literária, perceber o respeito embutido nas informações de José Mindlim e concluir a seguinte verdade: "Só os sábios administram a simplicidade."
abrspontob(ernadete ferraz)
Um P.S.: Meu amigo João de Deus, cada dose de Jenipapo News, atravéz das lentes de seu picinez, jogam a gente pra frente, viu?! Amei as lições do Mindlim.

Pedra do Sertão disse...

José Mindlin visto com outros olhos! Já gostava dele e esse texto dá um pouco a ideia do homem, colecionador de livros, que ele iria ser! Abraço

Rosangela Neri disse...

Parabéns pela postagem. Amo ler de tudo um pouco ou um muito rsrs. Adorei.
Bj

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...